Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Vendavais e ciclones

O Rio Grande do Sul lidera no ranking de danos humanos causados por vendavais e ciclones no período de 1991 e 2024

A Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (COBRADE) define vendaval como sendo um “forte deslocamento de uma massa de ar em uma região”. Já os ciclones são definidos como centros de baixa pressão atmosférica que provocam movimentação do ar e resultam em grandes tempestades associadas a ventos fortes com poder destrutivo.

No Brasil, no período 1991-2024, foram 4.396 ocorrências de desastres causados por vendavais e ciclones, sendo que o Rio Grande do Sul foi responsável por 24,59% desses eventos. O estado gaúcho ocupa a segunda posição no ranking de ocorrências de vendavais e ciclones, atrás somente de Santa Catarina, e na frente do Paraná, em terceiro lugar.

No que se refere aos danos humanos, o Brasil teve 370.008 atingidos por esse tipo de evento no mesmo período, enquanto o Rio Grande do Sul foi responsável por 40,08% desse total. O estado lidera no ranking de danos humanos causados por vendavais e ciclones; Santa Catarina e Paraná ocupam, respectivamente, o segundo e o terceiro lugar na lista.

Observa-se que a maior parte das ocorrências no Rio Grande do Sul, nesse período, se deu nos meses de novembro, outubro e janeiro. No número de afetados, destacam-se os anos de 2009, 2008 e 2017.

No Rio Grande do Sul, os municípios com os maiores números de ocorrências de vendavais e ciclones foram Santa Cruz do Sul, Cachoeira do Sul e Santa Maria. Por outro lado, em relação ao número de afetados, destaca-se Tramandaí, com 14.350 atingidos (9,67% do total), Montenegro, com 9.674 (6,52% do total) e Rolante, com 9.401 (6,33% do total).

Meses das ocorrências de vendavais e ciclones no RS (1991-2024)*

* Para 2024, foram considerados os dados até 24 de junho.

Fonte: MDR - Atlas Digital de Desastres no Brasil

Danos humanos causados por vendavais e ciclones no RS (1991-2024)*

* Para 2024, foram considerados os dados até 24 de junho. Como danos humanos, foram considerados: mortos, feridos, enfermos, desalojados, desabrigados e desaparecidos.

Fonte: MDR - Atlas Digital de Desastres no Brasil

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul