Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Estabelecimentos e Empregados na Indústria

A indústria de transformação do Rio Grande do Sul ocupa a quinta posição entre os Estados no número de empregados

Os segmentos industriais do Rio Grande do Sul apresentam uma distribuição espacial bem definida e consolidada. Os arranjos industriais do Estado se caracterizam por apresentar boa articulação interna, como por exemplo, nos segmentos metal-mecânico, moveleiro e coureiro-calçadista na região da Serra e Vale dos Sinos; fumageiro na região de Santa Cruz do Sul e petroquímico na RMPA, com destaque para os municípios de Canoas e Triunfo.

De outro lado, outros segmentos apresentam grande dispersão pelo território, como é o caso da indústria de produtos alimentares e de confecção de artigos do vestuário e acessórios. Há também uma tendência de consolidação do eixo industrial que extrapola o eixo Porto Alegre-Caxias do Sul,  seguindo em direção norte-noroeste, passando por Passo Fundo e Erechim, Ijuí, Santa Rosa, Panambi e Horizontina, caracterizado pela presença de unidades industriais em arranjos produtivos diversos, com destaque para os segmentos ligados à indústria metal-mecânica, principalmente do ramo de implementos agrícolas.

Assim, a Indústria de Transformação do Rio Grande do Sul apresenta elevada diversificação e se desenvolveu a partir de atividades ligadas às agroindústrias e outros segmentos originados do setor primário. Os principais segmentos são os de metal-mecânica, material de transporte, química, mobiliário e calçados, todos com vínculos com o mercado externo.

Em 2019, a Indústria de Transformação do Rio Grande do Sul ocupava a quarta posição no parque nacional, depois de São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina no que diz respeito ao número de estabelecimentos, e quinto quanto ao número de postos de trabalho, depois de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Paraná. Observa-se, tanto no Rio Grande do Sul quanto no Brasil, uma diminuição da participação do emprego da Indústria de Transformação entre 2010 e 2019, o que indica uma tendência mais longa de desindustrialização da economia brasileira.

De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do Ministério da Economia, em 2019, a Indústria Extrativa Mineral contava com 620 estabelecimentos e 5.617 empregados; a Indústria de Transformação possuía 35.120 estabelecimentos e 636.365 empregados; e a Construção Civil com 16.144 estabelecimentos e 110.399 empregados.

Evolução do emprego da Indústria de Transformação no RS - 2010-2019

Ministério da Economia/RAIS

Participação do emprego da Indústria de Transformação no RS e no BR - 2010-2019


Fonte: Ministério da Economia/Rais 2010-2019

Número de estabelecimentos* e de empregados** segundo as divisões que compõem a Indústria de Transformação no RS em 2019


Fonte: Ministério da Economia/Rais 2019
* estabelecimentos com vínculos empregatícios (exceto RAIS negativa)
**vínculos empregatícios em 31/12/19

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul