Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Ferrovias

As maior concentrações de cargas ferroviárias estão em Canoas, Cruz Alta, Passo Fundo e Rio Grande

 O Sistema Ferroviário Brasileiro possui aproximadamente 30.000¹ km de extensão, distribuído pelas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste e opera por concessão cuja fiscalização é realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT².  Seu principal concorrente é o transporte rodoviário, embora sua utilização seja indicada para a movimentação de grandes volumes de carga em médias e longas distâncias. A opção pelo predomínio do transporte rodoviário levou a subutilização do modal ferroviário no Brasil e no Rio Grande do Sul. A participação do modal na matriz de transportes é de aproximadamente 15% no Brasil e 6% no RS³. No entanto é considerado por planejadores e técnicos do setor de transportes, um elo essencial da cadeia logística do transporte de cargas, com grande potencial para crescimento, desde que conectado adequadamente aos demais modais.

A malha ferroviária gaúcha, controlada por longo período pela Rede Ferroviária Federal - RFFSA, foi concedida para a iniciativa privada em 1997 à empresa  América Latina Logística - ALL que, até 2013, detinha também áreas de concessão do norte da Argentina. A operação de concessão mais recente é da empresa Rumo, nova companhia resultante da fusão Rumo - América Latina Logística – ALL. Com concessão para o período de 1997 a 2027 e operação das malhas dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná  e São Paulo é chamada de RMS – Rumo Malha Sul.

Segundo a ANTT, o Rio Grande do Sul possui uma malha de aproximadamente 3.259 km de linhas e ramais ferroviários utilizados quase exclusivamente para o transporte de cargas. Alguns trechos curtos, mais recentemente, tem sido utilizados para transporte de passageiros como parte de roteiros turísticos. A maior parte apresenta bitola de 1 metro, sendo que apenas 5 km apresentam bitola mista (1,435 m), com objetivo de realizar a integração com as malhas argentinas e uruguaias. Atualmente vários trechos ferroviários do estado encontram-se desativados ou só operam em época de safra agrícola. De acordo com o Anuário Estatístico dos Transportes, os centros de transferência de cargas que apresentam maior movimentação localizam-se em Canoas, Cruz Alta, Passo Fundo e Rio Grande, junto ao Porto. Os principais produtos transportados são: commodities agrícolas: soja e farelo de soja, combustíveis e derivados, produtos agrícolas, açúcar, contêineres, adubos e fertilizantes, produtos de extração vegetal e celulose, cimento e produtos industrializados para construção civil . Os maiores terminais intermodais encontram-se em Porto Alegre, Uruguaiana e em Rio Grande, junto ao Porto.

¹Ministério da Infraestrutura/Síntese – Setor Ferroviário (in:http://www.infraestrutura.gov.br/component/content/article.html?id=5380)
²Segundo a ANTT, atualmente 15 concessionárias atuam no transporte ferroviário do Brasil: RMN; RMO; RMP; RMS; RMC; Ferroeste; FCA; VALEC S.A.; FTC; FTL; MRS; EFC; EFVM; TLSA e FIOL.
³ Empresa de Planejamento e Logística S.A. – EPL (In: https://www.epl.gov.br/transporte-inter-regional-de-carga-no-brasil-panorama-2015); ST RS/Plano Estadual de Logística de Transporte - PELT RS, 2014

Participação do volume transportado por ferrovia pela Concessionária RMS em toneladas úteis, no período 2010-2019
Participação do volume transportado por ferrovia pela Concessionária RMS em toneladas úteis, no período 2010-2019

Fonte: ANTT (origem SAFF/SIADE 2006 a 2019)
* RMS: RUMO Malha Sul S.A.(atua nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo)
**Concessionárias no Brasil: RMN; RMO; RMP; RMS; RMC; Ferroeste; FCA; VALEC S.A.; FTC; FTL; MRS; EFC; EFVM; TLSA e FIOL 

Principais volumes transportados por ferrovia pela Concessionária RMS por tipo de mercadoria, em Toneladas Úteis (TU), em 2019
Principais volumes  transportados por ferrovia pela Concessionária RMS por tipo de mercadoria, em Toneladas Úteis (TU), em 2019
Fonte: ANTT (origem SAFF/SIADE 2006 a 2019)

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul